Guerra dos Roteiristas E18 – Karen Berger X Julius Schwartz (editores)

Neste episódio dois editores de peso:

Karen Berger e Julius Schwartz

Se você gosta do selo Vertigo inscreva-se no nosso curso sobre a Vertigo! Detalhes aí na barra lateral do blog e também aqui:

Vejam abaixo os links do blog relacionados:

Recursos de roteiro – 7° episódio da série Quadrinheiros explicam

REVIVENDO WERTHAM: Quadrinhos, educação e propaganda

Universos, Multiversos e a DC

Quadrinhos em História: a arte de Neil Gaiman em Sandman

Flash – a volta do entregador de pizza dos deuses

PROMOÇÃO – Compartilhem os vídeos da nova série com as hashtags #quadrinheiros e #queroobustodohaljordan e concorram ao busto do bom e velho Hal que será sorteado ao final da série!
(quando compartilharem o vídeo, não esqueça de deixar a visualização como “pública”  senão não conseguimos visualizar)

blog

Anúncios

Sobre Picareta Psíquico

Uma ideia na cabeça e uma história em quadrinhos na mão.
Esse post foi publicado em Guerra dos Roteiristas, Picareta Psíquico e marcado , , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para Guerra dos Roteiristas E18 – Karen Berger X Julius Schwartz (editores)

  1. nardan disse:

    Adoro Schwartz, pois sem ele não teríamos as atuais versões de Flash, Lanterna Verde e a Liga da Justiça, mas tenho uma coisa contra ele que é a elipse amarela em volta do símbolo do Batman. Para alguns a elipse é parte do uniforme, mas não, ela foi introduzida no intuito de dar mais destaque ao morcego. Hoje o emblema é conhecido por alguns como – vi isso no Dicionário do Morcego – “uma boca aberta com sete dentes amarelos”. Cresci com o símbolo daquele jeito, mas gosto mais do tradicional, sem a elipse.
    Quanto a Berger, o que falar dela. Simplesmente genial! Todas as mulheres que passaram pela DC foram geniais. Antes de Berger, a DC teve Jenette Khan, que causou furou na época com a “Implosão DC” e com “Crise nas Infinitas Terras”, além de Watchmen, Batman: O Cavaleiro das Trevas, Novos Titãs de Wolfman e Pérez, Ronin de Frank Miller. Khan era presidente nessa época, mas participava ativamente do que acontecia na empresa, sempre ao lado dos seus editores e do seu vice-presidente. Ela que também supervisionou a criação do selo Vertigo, de Karen Berger, ou seja, uma grande mulher apoiou outra grande mulher a desenvolver um dos melhores selos da DC.

  2. Pingback: Um reflexo da desilusão: a Guerra Fria e o selo Vertigo | Quadrinheiros

  3. Pingback: A MARCA DO BATMAN: uma introdução por Alan Moore (1986) | Quadrinheiros

  4. Pingback: Shade e a Loucura de Peter Milligan | Quadrinheiros

  5. Pingback: Entre Laerte e Angeli: uma experiência chamada Baiacu | Quadrinheiros

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s