Picareta Psíquico

Numa noite fria, sentado incógnito na primeira classe de um avião que cruza o oceano, o Picareta Psíquico trás na mala de mão, quilos de histórias em quadrinhos. Seu destino é incerto e seus objetivos obscuros, mas seu sócios aguardam um sinal seu enquanto terminam de engarrafar as ultimas cervejas no porão de uma pedreira desativada.

Anos atrás esta cena seria improvável. O Picareta Psíquico ainda não controlava sua invisibilidade e nem desconfiava de seus poderes mentais. Passara a adolescência  buscando uma resposta para sua estranha condição, sem ser visto ou ouvido por ninguém.

Sua vida mudou quando conheceu as gangues de adolescentes de Neo-Tokyo, e passou a adorar os deuses Perpétuos. Seu poderes mentais se ampliaram exponencialmente quando conversou com King Mob e leu as reportagens de Spider Jerusalem, ou quando viajou no tempo ao Japão e a NY, a Galia e a Camelot. A invisibilidade cada vez mais controlada, agora já permitia que outros como ele o vissem e dividissem com ele o espanto ante as Maravilhas e os Novos Deuses.

Agora, capaz de transitar por tantas realidades alternativas e universos paralelos, tendo sido iniciado no ocultismo pelo mago inglês e na contra cultura pelos hippies americanos, o Picareta Psíquico conheceu um grupo de renegados que como ele não conseguem parar de pensar e criar e desconstruir tudo o que leem.

A cerveja já esta nos copos e nas gargantas e os quadrinheiros estão reunidos. A caminho, ansioso pelas horas de diversão que o aguardam, o Picareta Psíquico põe os óculos e aperta o passo.

Anúncios

6 respostas para Picareta Psíquico

  1. Pingback: Por que o Batman é o melhor personagem de todos os tempos? | Quadrinheiros

  2. Pingback: Melhores posts até agora – 2 anos de Quadrinheiros | Quadrinheiros

  3. Rennan Sármenn disse:

    Cara, o trecho que fala sobre a viagem no tempo de Japão à New York é uma referência ao personagem Hiro Nakamura que, na primeira temporada de Heroes, se teletranspostou do Japão à New York.

  4. Pingback: PARODIAR: Um ato de amor pelas histórias (ou “O Quotista não sabe fazer trocadilhos”) | Quadrinheiros

  5. Pingback: AQUI ESTÁ TUDO QUE HÁ DE ERRADO COM O JORNALISMO DE QUADRINHOS – Parte 2 | Quadrinheiros

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s