Mangá e seus gêneros

ved0914-manga

Vocês pediram e vai ter muito mais mangá aqui, começando hoje!

Uma das características que diferenciam o mangá dos outros quadrinhos é a diversificação de gêneros que possui, desde o didático direcionado para crianças até o erótico lido por adultos. Em muitos dos mangás é possível perceber a classificação dos gêneros através do conteúdo narrativo, nos elementos gráficos das páginas e construções de personagens. No entanto, alguns gêneros adultos se assemelham tanto como o seinen, shônen e gekiga ficando, às vezes, difícil classificá-los.

Apresentaremos aqui alguns dos mais populares*:

1Kodomo (criança) ou shôgaku (escola primária) – são revistas didáticas que ajudam a criança no aprendizado. Os volumes são divididos conforme a idade e/ou o grau escolar, que geralmente até 12 anos. Nem todas as histórias contidas são de cunho educativo, muitas vezes são relacionadas à lendas, esportes (principalmente os esportes japoneses como judô, sumô, karatê etc), aventuras etc., porém sempre há matérias que enfocam assuntos como a matemática, a língua vernácula, história e dicas. As datas comemorativas como o dia das meninas (hinamatsuri – 3 de março) ou dos meninos (kodomo no hi – 5 de maio), dia do verde (midori no hi – 4 de maio), também são colocadas na revista. De um modo geral estas revistas infantis são educativas, mas sem perder o humor.

2Shôjo (menina) – são revistas femininas direcionadas para a faixa etária entre 12 a 20 anos. Entre as revistas de maior sucesso estão: Ribbon, Nakayoshi, Bessatsu Magareto e Bessatsu Shôjo-Furendo. Normalmente são histórias criadas e desenhadas por mulheres. O conteúdo delas é caracterizado pelos sonhos, fantasias, contos de fada que transportam a menina adolescente para os romantismos aflorados nesta fase. Elas também contêm paixões impossíveis, como a paixão por um professor, mostrando todo sofrimento da personagem em relação a este amor e a rivalidade entre amigas, muitas leitoras acabam se identificando muito com estas personagens. Os traços dos personagens são mais finos e delicados, as páginas são monocromáticas com tonalidades pastéis de azul ou rosa, as linhas de ação dos movimentos são leves como vento soprando no cabelo da personagem, são páginas convidativas a um universo encantado. Leitoras acabam se apaixonando pelos personagens masculinos que são desenhados como príncipes encantados, cheios de glamour. Os cenários são construídos junto com estrelinhas, coraçõezinhos, pétalas de flor de cerejeira (sakura), que podem insinuar uma linguagem musical imaginária. Não poderia ficar de fora as propagandas de bijuterias, acessórios, roupas, até materiais eletrônicos como máquinas fotográficas personalizadas, notebooks coloridos etc. Qualquer menina, seja ela japonesa ou não, pode facilmente se apaixonar pelas histórias.

3343834-ss50-2005coverShônen (menino) – diferente do shôjo mangá, estas são revistas voltadas para o público masculino, na faixa etária entre 12 a 20 anos. Assim como o shôjo mangá, é uma forma de leitura muito consumida pelos japoneses. Suas principais revistas são: Shônen Jump, Shônen Magazine, Shônen Sunday etc. As histórias são mais sérias. Relatam brigas entre gangues, a convivência de um adolescente na escola, a sua busca pelo sucesso em campeonatos esportivos, e também os samurais,. São histórias feitas tanto por homens quanto por mulheres. Os traços dos personagens já são mais grosseiros, mostrando o lado intrépido do sexo masculino. As páginas também são monocromáticas, porém com cores mais “pesadas” como o preto. A violência é mais explícita. Desenhos de sangue são expostos ajudando a dramatizar os quadros. Esta violência nos shônen mangá parece estar contida na tradição japonesa. Como exemplo disso, podemos citar as descrições das lutas de samurais na literatura japonesa.

503030421

Sarariman – vem da palavra inglesa salaryman. São revistas representando os empresários japoneses, com situações do cotidiano no trabalho, sua relação com a família, seu ambiente no escritório, seu diálogo com o chefe, etc. As sequências das histórias não seguem os movimentos cinematográficos e sim os do teatro. Os desenhistas do sarariman são mais maduros, pois, normalmente, já tiveram uma experiência de como é a vida de quem trabalha em uma empresa.

 

 

 

9784063808322_w

Josei (mulher) – o público deste tipo de mangá são as mulheres donas de casa, secretárias, enfim batalhadoras. O traço se assemelha ao shôjo mangá. O contexto das histórias é o cotidiano da vida de uma mulher adulta seja ele dento de casa ou no escritório.

 

 

 

 

 

satsuma-gishiden-5Gekiga (imagens dramáticas) – são desenhos mais realísticos, muitas vezes, com linhas expressivas reforçando os movimentos das ações dos personagens e cenários. A quadrinização também se difere um pouco por se apresentar mais padronizada. As narrativas são sobre períodos históricos japoneses, sobre os samurais, ou os yakuza (máfia japonesa), ou até mesmo lendas e mitos do Japão. Este gênero foi um dos primeiros a ser produzido como mangá.

 

 

 

macross-the-super-dimension-fortress-macross-tall-full-castMecha (lê-se méka, pois é abreviatura de mechanic) – as narrativas referem-se a temas de ficção científica, inteligência artificial, espaço e robôs. Geralmente há um diálogo entre robôs e/ou inteligência artificial com os seres humanos. Este gênero parece ter surgido após a Segunda Guerra e traz conteúdos que discutem a extinção da humanidade, tanto no seu sentido físico quanto espiritual/mental, além do confronto entre homem e máquina.

 

 

jr-vol-01YAOI – na verdade esta palavra é uma sigla que significa yama-nashi/ ochi-nashi/ imi-nashi e sua tradução seria sem pico/ sem resolução/ sem clímax. Grande parte das histórias são sobre romances entre homossexuais. O público consumidor do YAOI, conhecido também como bishônen, são as mulheres. Os traços, linhas, elementos gráficos e quadrinização são emprestados do shôjo mangá, por isso, eles são visualmente e narrativamente parecidos.

 

 

 

0Hentai – esta palavra significa perverso, pervertido. As histórias costumam apresentar relações sexuais doentias como o complexo de lolita. A nudez e insinuações do ato sexual são características deste tipo de mangá. Somente a exposição dos pêlos pubianos que são proibidos por lei.

 

 

 

 

Conte pra gente aí nos comentários quais desses gêneros – ou outros – você mais gosta!

*Nota: embora classificações como josei ou kodomo possam ser identificadas como “demografia”, muitos pesquisadores e artistas nomearam essas relações como “gêneros” tanto no Japão quanto na Europa e Estados Unidos.

Anúncios

Sobre Mochi

Atingiu o estado de Olhos Grandes nas ilhas do Oriente Silencioso.
Esse post foi publicado em Mochi e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Mangá e seus gêneros

  1. Quiof disse:

    Não só josei e kodomo, apenas mecha (nesse caso um subgênero de fc), sarariman, yaoi e hentai seriam gêneros de fato, gêneros seriam drama, fantasia, humor, etc, que podem ser encontrados em qualquer demografia e até mesmo em hentais, gekigá não é gênero, nem tão pouco demografia, foi um nome de um movimento de quadrinhos adultos, atualmente caiu em desuso, usasse o seinen e mesmo no seinen podem ter obras do movimento gekigá (Golgo 13 do Takao Saito ainda sai ou saia, o autor iria parar), hentais e até obras que lembram shonens, principalmente pelo traço, mas são destinados para adultos, o grupo CLAMP já trabalhou em mais de uma demografia, mas aqui insistem em classificar como shonen, há casos de obras que eram shonens e que tem spin-offs seinen, Saint Seiya é um exemplo, City Hunter é um exemplo de obra que mudou de demografia, ou seja, cresceu com seu público. Puella Magi Madoka Magica é claramente uma série de garota mágica com traço usado em shojo, mas é seinen.

    Quanto aos mechas, a classificação não se enquadra para todos, mas sim para o subgênero Real Robots surgido com Gundam de 1979, antes vigorava o Super Robots que eram aventurescos.

    Esse vídeo é bem interessante

    • Nerdbully disse:

      De fato, Quiof. Muitos pesquisadores e artistas nomearam essas relações como “gêneros” tanto no Japão quanto na Europa e Estados Unidos. No post, a Mochi entendeu como gênero o conteúdo narrativo, elementos gráficos das páginas e a própria construção de personagens, então é possível dizer que são gêneros, embora classificá-los em demografias também esteja correto e mesmo assim todas essas classificações suscitam o debate. Abraço!

  2. Stefano disse:

    Patrulha Estelar seria que gênero ? e Zillion ?

  3. Pingback: Para além do mangá: quando a ficção toca a realidade | Quadrinheiros

  4. Pingback: Os grandes olhos do mangá – parte I | Quadrinheiros

  5. Pingback: Japão, um país kawaii | Quadrinheiros

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s