Todos os crimes de Ed Brubaker e Sean Phillips

pulp-crue-summer-recklessUm pouco da obra desses dois quadrinistas focados em histórias de crime.

A dupla Ed Brubaker e Sean Phillips se especializou em contar histórias de personagens de moral ambígua em cenários decadentes. Com uma produção farta e muitos prêmios acumulados, a dupla chegou ao ápice em 2020 com 3 séries pela Image – Pulp, Reckless e Cruel Summer.

Em 2003 Brubaker e Phillips (agora nos desenhos) criaram Sleeper para o selo Wildstorm da DC Comics. Duas séries (ou temporadas) de 12 edições cada foram lançadas, e em 2013 as notícias falavam de uma possível adaptação para o cinema pelas mão de outra dupla – Matt Damon e Ben Affleck (que não aconteceu). Sleeper conta a história de Holden Carver, um superpoderoso conhecido como O Condutor, que é colocado por John Lynch (o mentor do Gen-13) para trabalhar/espionar uma organização criminosa. Carver é descoberto pelo chefe dos criminosos e foge, mas logo é convertido e volta à organização. Lynch volta a contactar Carver e ele passsa a agir com um agente duplo.

Para o selo Icon da Marvel (esse material hoje é publicado pela Image), criaram a série Criminal, em 2006. Essa série, que continua tendo novos arcos publicados, ganhou os prêmios Harvey e Eisner de melhor roteiro e o prêmio Scream de melhor arte. São várias histórias diferentes, com conexões entre elas. Por exemplo, no primeiro arco acompanhamos a história de Leo Patterson, um criminoso conhecido por ser um prodígio, que sobreviveu a um “trabalho” que deu errado. Na história ficamos sabendo que o pai de Patterson (Tommy) foi assassinado na prisão quando cumpria pena por ter matado Teegar Lawless. No segundo arco acompanhamos a história de Tracy Lawless, um dos filhos de Teegar. No terceiro arco tem uma história que mostra o próprio Teegar no Vietnã. Uma das melhores série de crime em quadrinhos dos últimos anos!

A série Incognito de 2008 (novamente pro selo Icon da Marvel) mistura crime e super-heróis. Nos dois arcos (11 edições no total) contam a história de Zack Overkill, um vilão que faz uma delação premiada e entra para o programa de proteção a testemunhas onde ele é obrigado a tomar remédios para inibir seus superpoderes. Os direitos foram comprados para uma adaptação pro cinema, mas depois de 2016 não tivemos mais notícias.

Fatale é uma série de 2012 pela Image Comics. Ganhou vários prêmios Eisner em diferentes categorias. Conta a história de Jo (Josephine), uma femme fatale imortal que tem o poder de fazer os homens venerá-la (mesmo que ela não queira). A série foi anunciada para 12 edições, mas por causa das vendas foi estendida para 24 edições. As edições 12 e 13 contam as histórias de outras duas mulheres com os mesmos poderes de Jo, em outras épocas (século XIII na França e no velho oeste norte americano), dando um respiro pra que os autores conseguissem estender a narrativa. Nas edições seguintes a história só melhora!

The Fade Out, publicada em 2014, é a primeira série da dupla depois de assinarem um contrato de exclusividade com a Image Comics que determina que a editora não vai interferir no material, ou seja, vai publicar do jeito que os autores quiserem (esse contrato vai até 2023). Conta a história da indústria do cinema nos EUA depois da II Guerra Mundial. O roteirista Charlie Parish acorda no meio de uma cena de crime sem memória do que aconteceu. Entre cenas de filme noir e o clima de máfia dos estúdios de cinema dos anos 1940, Brubaker e Phillips não tem pressa em desvendar o mistério. São 12 edições que poderiam virar um excelente filme!

Kill or be Killed, de 2016, é um Breaking Bad sobre vigilantes mascarados. Dylan é um estudante universitário deprimido e apaixonado pela namorada do seu colega de quarto, que depois de uma tentativa de suicídio é condenado por um demônio a matar pessoas “más” ou morrer (pelas mãos do tal demônio). A história conduz o personagem do fundo do poço até se estabelecer como um assassino profissional, e nos mostra o que isso faz com a mente torturada de Dylan.

No ano passado a dupla lançou várias novas narrativas em formatos diferentes. Pulp, que saiu em janeiro é uma das mais citadas nas listas de melhores quadrinhos de 2020. Em 1939, Max Winter, um velho escritor de histórias de western para publicação baratas (pulp magazines), começa a lembrar do seu passado enquanto assiste ao antissemitismo nazista ganhar apoio nos EUA. Quase 70 páginas no melhor estilo Velho Logan e Gran Torino!

Cruel Summer é uma coletânea de histórias da série Criminal. A Marvel publicou as primeiras 26 edições (divididas em 6 arcos), e a Imagem publicou 2 one shots e 12 edições, além de uma história fechada chamada My Heroes Have Always Been Junkies (2019). Cruel Summer compila as edições 1 e 5-12 desse último run da Imagem. Ao que parece os autores estão reorganizando as histórias para apresentá-las ao público (dentro desse novo contrato de liberdade editorial). O arco conta a história do já citado Teegar Lawless voltando pra casa para planejar o maior assalto da sua carreira, enquanto seus filhos adolescentes começam a seguir os passos do pai.

Reckless é uma história de Ethan Reckless, um faz-tudo que não consegue ver um futuro para si mesmo e por isso se agarra ao passado. Brubaker se inspirou nos livros de Raymond Chandler (criador do detetive Phillip Marlow) e Robert Ludlum (autor de A Identidade Bourne), que o pai dele lia avidamente. Essa literatura que mistura sub-generos como crime noir, romance policial, suspense de espionagem, cheios de ação e reviravoltas é a especialidade da dupla Brubaker e Phillips. Não tem como se decepcionar! Uma segunda história fechada da série está programada para 2021.

Histórias em quadrinhos sobre crime são um gênero anterior aos super-heróis, que foi brutalmente silenciado com a instauração, em 1954, do Comics Code Authority, a auto regulação da indústria de comics dos Estados Unidos que proibiu qualquer tipo de violência gráfica na publicações. No final da década de 1980, com as superaventuras incorporando cada vez mais violência em suas narrativas, o selo de auto censura foi tornando-se mais brando e irrelevante, abrindo o caminho para um renascimento do gênero crime. Fazem parte desse renascimento títulos como 100 Bullets (de Brian Azzarelli e Eduardo Risso), Sincity (de Frank Miller), Stray Bullets (de David Lipman) e a série Criminal citada nesse texto. Por causa do trabalho consistente de criadores como Brubaker e Phillips esse gênero está em uma franca expansão. Faço votos que o mercado brasileiro se aventure e publique mais títulos como esses, que miram um público que busca experiências de leitura pra além dos super-heróis!

Sobre Picareta Psíquico

Uma ideia na cabeça e uma história em quadrinhos na mão.
Esse post foi publicado em Picareta Psíquico e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s