A anatomia dos vilões

Eles são sórdidos. Cruéis. Trapaceiros. Dissimulados. Torpes. Violentos. Têm ares refinados, elegantes. Mas seus atos são repugnantes. A atrocidade é seu ofício. Eles são a prova de que o mal tem forma, vive e respira, como qualquer um. Eles agem por impulsividade e convicção. Eles são os vilões, os agentes do infortúnio e da desgraça.

Arte phina

Não basta olhar, tem que cutucar

Claro, do seu ponto de vista.

O que faz esse sujeito ser o que é? Como ele se torna um “agente do mal”?  Como foi possível que o vilão nascesse em primeiro lugar?

Óbvio, não dá pra colocar todos os vilões num mesmo balaio. Há lá suas diferenças de filo, gênero, morfologia e classificação. Não dá pra alinhar um Coringa e um Lex Luthor, por exemplo.

O Coringa, assumidamente, é um pirado absoluto, age por um impulso doentio, primitivo, desligado das regras sociais, está além de qualquer redenção ou cura. Chamemos de vilão primal.

hlj

Já Luthor é um “mastermind”, um estrategista, um sujeito racional, adulto e perfeitamente consciente das consequências dos seus atos, por isso mesmo tão… vilão. O chamemos de vilão convicto.

LL

Os dois tipos, em suas infinitas versões, definem os heróis. A estatura e poder dos heróis é determinada pelo desafio representado em seus vilões. Pense aí no que é o Wolverine senão aquele que vive para enfiar porrada no animal do Dentes de Sabre. Ou então no Surfista Prateado, cuja existência é dedicada a impedir que Galactus devore planetas dotados de vida.

galactussp

Vilões primais são relativamente fáceis de entender (e poucos para se enumerar). Além de serem incompreensíveis (para nós) o passado deles é quase irrelevante na hora de apontar o significado de suas ações. Não nos damos ao trabalho de questionar e nem isso se faz necessário; os vilões primais precisam ser contidos pelos heróis e ponto final. Nessa categoria, sem pensar muito, colocaria-se:

  • Coringa
  • Harley Quinn
  • Cheetah
  • Galactus (Galen!)
  • Dentes de Sabre (Victor Creed)
  • Carnificina (Cletus Kasady)
  • Star Saphire
  • Doomsday
  • Homem-Invisível
  • Duende Verde
  • Legião (David “Xavier” Haller)
  • Abominável (Emil Blonsky)

Sem cuidado poderia-se colocar todos os detentos do Asilo Arkham na lista acima mas escaparia a uma certa lógica. Nem todos são tão descontrolados como o Coringa. Os vilões primais são uma espécie de conduíte de uma força caótica maior, não a força caótica em si.

As ações que realizam não vão muito além de breves intenções. Não há planos ou projetos de longa duração, só reações e impulsos. Isso, porém, não quer dizer que a escala de seus atos seja pequena, ao contrário, podem devastar cidades ou obliterar planetas inteiros.

A relação que eles têm com os heróis é quase (ou abertamente) libidinosa; eles têm indisfarçável prazer de enfrentar e submeter os heróis. As atrocidades que praticam, excitam e satisfazem tanto quanto matam e destroem. Tudo ao som de histéricas gargalhadas.

hljpolcar

Agora, vilões convictos, estes merecem um cuidado maior…

Magnus

Eles foram rejeitados, desprezados, ignorados, torturados e trapaceados por meses, anos, décadas ou até séculos. Em algum ponto da vida se divorciaram da humanidade. Rejeitaram fazer parte de um modelo de vida que lhes causava vergonha. Abriram mão das convenções do contrato social. Cansaram de se perguntar “por que eu?”. Cruzaram a linha que separa a fantasia ressentida para a ação genocida. Fizeram da vingança sua missão na vida.

Quase sem exceção, todo vilão convicto não se vê como vilão. Herói da própria história, é, acima de tudo, uma vítima resignada de circunstâncias enraizadas no passado. Para eles, os “heróis” são um obstáculo temporário para um mundo “mais justo”, digno e recompensador.

A “utopia” que pretendem atingir deve surgir em algum momento no futuro, preferivelmente em seu próprio período de vida, mas não imediatamente. Há vários estágios antes de se alcançar o objetivo final (e razão pela qual os criadores das histórias usarem os mesmos vilões tantas vezes).

Mesmo que a recompensa não seja usufruída por ele, o vilão convicto age com fé adamantina. Irredutível em suas opiniões e métodos vive sob a certeza de que seu esforço não será em vão, que outros (ou alguém particularmente) lembrarão e farão jus ao seu empenho.

Os exemplos de vilões convictos são tão numerosos quanto interessantes de se observar. Para ficar em poucos:

  • Lex Luthor
  • Loki
  • Ra’s al Ghul
  • Arraia Negra
  • Mandarin
  • Duas-Caras
  • General Zod
  • Abutre
  • Sinestro
  • Ozymandias
  • Dr. Octopus
  • Espantalho (Dr. Jonathan Crane)
  • Dr. Luz
  • Cassandra Nova
  • Caveira Vermelha
  • Wilson Fisk (o Rei do Crime)
  • Dr. Silvana
  • Dr. Destino (Doom)
  • Magneto
  • Ciclope (atualmente)
  • Thanos
  • Apocalipse
  • Vandal Savage
  • Sr. Sinistro
  • Darkseid
  • Mr. Freeze

Os vilões convictos têm a característica de serem austeros, imponentes, monossílabos, melancólicos. Alguns deles sentem genuíno pesar pelas barbaridades que cometem, como Magneto e Dr. Doom.

doom

Outros, não só sentimentais, são passionais e praticam malefícios em nome do amor, como Mr. Freeze (e sua esposa em estado de criogenia) ou Thanos (em cega obsessão por sua amada, a Morte personificada).

MrFreeze

Thanos

Há vilões eugênicos e científicos, como Apocalipse e Sr. Sinistro, velhos rivais dos X-Men. Eles querem acelerar o processo evolutivo e eliminar da Terra o Homo Sapiens Sapiens, dando lugar ao Homo Superior, os mutantes.

apclps

MrSinister

Há vilões autoritários, como o Caveira Vermelha, um nostálgico nazista que anseia concretizar o IV Reich nos dias de hoje.

The Red Skull

Há os heróis “neo-liberais”, digamos, como o Rei do Crime e Mandarin, cujos empreendimentos ilícitos (tráfico de drogas, armas, sequestros e extorsões) são sempre barrados pela ação dos informais agentes do Estado (ou status quo), Demolidor e Homem de Ferro.

kingpn

mandarin

Há vilões convictos que não conseguem escapar de velhas rivalidades e traumas familiares, como Cassandra Nova, irmã gêmea de Charles Xavier (que, sejamos justos, tentou enforcar a irmã com o cordão umbilical ainda na barriga da mãe).

cassXavier

Ou Loki, o irmão adotivo de Thor, que sem poder vencer o irmão pelo afeto do pai, Odin, contenta-se em torturar os habitantes da Terra, reino sob a proteção do Deus do Trovão.

loki

Dê o devido tempo, uma vida de frustrações e verá o nascimento de um vilão convicto. Todos eles, além de tudo, são ex-pessoas perfeitamente normais. Até certo ponto das biografias de cada um, não havia tendência “geno-familiar” que garantisse, sem sombra de dúvida, que eles seriam vilões em algum ponto da vida. Foi uma sequência de fatores ambientais agressivos, algum trauma ou qualquer elemento de violência externa que determinaram aquele “gênio do mal” aflorando no interior desses sujeitos.

mganetinho

Indo além (mas não tão além) dos quadrinhos é fácil encontrar exemplos dessa trajetória. O chefão Michael Corleone, um vilão para todos os efeitos, foi tragicamente puxado de volta às querelas da sua família quando ainda era jovem, por mais que o repugnasse aquele universo.

MCorleone

Darth Vader (e isso fica mais intenso sem assistir os episódios I, II e III) não possui mais nada na vida além de praticar atrocidades em níveis galácticos, enquanto seus momentos privados são reservados a sentir dores de cicatrizes físicas e emocionais de um passado mais terno e promissor. Nostalgia, para ele, é o mais puro sofrimento, só afogado através de mais e maiores atos de violência cotidiana.

vaderchamber

A anatomia dos vilões permite, ao gosto do cliente, uma série de classificações, modos diferentes de analisar como foi possível eles existirem. Explicações fáceis para pessoas que não existem, exceto nas histórias que consumimos; a realidade, obviamente, faz sempre menos sentido.

Não há consciência civil nem solidariedade acadêmica, literária ou psicológica que resista muito quando se é vítima de algum tipo de violência; ou então assistir, impotente, ao assassinato de crianças em escolas sem nós mesmos cedermos às fantasias mais vilanescas possíveis. Isso simplesmente não é possível e ninguém está imune.

Nesse sentido é fácil entender como nascem os vilões (o que não é o mesmo que solidarizar com eles). Eles são fundamentalmente (demasiadamente, dizia o alemão) humanos em suas falhas. Escolheram entrar em sintonia apenas e exclusivamente com aquele campo mais sombrio que habita o coração dos homens.

Como denominador comum, se ensina alguma coisa, a anatomia dos vilões mostra que ele surgiu no momento em que desistiu de se perguntar se estava do lado certo.

Emeraldtwilight

PS1 – Chama a atenção o número de vilões que possuem doutorado.

PS2- Um filme nada lá genial, mas mostra bem como nasce um vilão é aquele Chronicle. Vale.

Anúncios

Sobre Velho Quadrinheiro

Já viu, ouviu e leu muita coisa na vida. Mas não o suficiente. Sabe muito sobre pouca coisa. É disposto a mudar de idéia se o argumento for válido.
Esse post foi publicado em Velho Quadrinheiro e marcado , , . Guardar link permanente.

16 respostas para A anatomia dos vilões

  1. Gostei muito do texto!Parabéns!

  2. Gabriel, Uno e Loki disse:

    Reblogged this on O Heterônimo Gabrielário and commented:
    Aí vai um pequeno grande texto pra quem gosta de vilões dos quadrinhos, mas nunca os entenderam.
    – Loki.

  3. Marcelo Rua disse:

    Duas Caras não se classificaria como um vilão primal como o Coringa?

    • Velho Quadrinheiro disse:

      Excelente questão, nem tinha pensado…

      O sujeito é a convergência simétrica dos dois pólos, duas personalidades igualmente deletérias, por mais que as manifestações desses traços tenham percursos subjetivos (malucos) diferentes.

      Acho que encerra a questão a exploração do tema em Nolan: caracterizar Dent como uma “vítima” que passou a sofrer de uma “obsessão pelo acaso”.

      Extrapolando, parece que essa obsessão foi uma reação ao trauma da perda, uma desilusão com a própria concepção de justiça.

      Acho que o Duas Caras sozinho daria um post inteiro. Na maioria das histórias ele me parece aquele cara que está apenas no segundo estágio do luto (negação, raiva, negociação, depressão, aceitação). Não acha? Duas caras é polêmico!

      • Marcelo Rua disse:

        Eu não teria feito uma explanação do assunto de melhor forma como a que você fez. Sim, concordo em gênero, número, grau e degrau! Rs, abraço

  4. Pingback: Para que servem os super-heróis? | Quadrinheiros

  5. Pingback: Por que um vilão faz o que faz? | Quadrinheiros

  6. Pingback: UM HOMEM CHAMADO MAGNETO: Uma breve provocação sobre o ciclo de perdição e redenção | Quadrinheiros

  7. Pingback: Melhores posts até agora – 2 anos de Quadrinheiros | Quadrinheiros

  8. Pingback: Melhores posts até agora – 2 anos de Quadrinheiros | Quadrinheiros

  9. No lugar de vilão “neo-liberal”, não se enquadraria melhor vilão “mafioso”. Talvez o termo de “neo-liberal” enquadre-se melhor para vilões que possuem alguma ligação com grandes empresas, que fazem maldade para beneficiar alguma grande empresa, que é diferente de máfia, como os exemplos ilustrados.
    Além de poder-se acrescentar a categoria de vilões vaidosos ou egocêntricos, quem fazem o que fazem para provar sua superioridade sobre os heróis, para encarar um desafio ao seu intelecto superior ou, apenas, para quebrar o tédio.

  10. Pingback: 5 vilões e o princípio do antagonismo | Quadrinheiros

  11. Pingback: Sergio Moro seria um super-herói? | Quadrinheiros

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s