Robert E. Howard, Espada e Feitiçaria

Um pouco sobre o criador de Conan e seu gênero.

 

 

 

 

É uma falácia dizer que as coisas só existem quando são nomeadas. A existência precede a consciência. Mas é verdade que a nomeação de algo é um marco importante, pois é o momento em que se toma consciência de sua existência.

E assim foi com o gênero Espada e Feitiçaria.

Em 1961 o escritor Michael Moorcock (que também tem obras no gênero com sua série de livros estrelada por Elric de Melniboné) no fanzine Amra perguntava-se que nome poderia ser dado ao tipo de história escrita por Robert E. Howard e o mais famoso bárbaro da cultura pop: Conan. Moorcock propôs o nome de “fantasia épica”.

Robert E. Howard

Fritz Lieber (que também deu sua contribuição ao gênero com sua série de livros com os personagens Fafhrd e Gray Mouser, na paradigmática cidade de Lankhmar) tinha uma resposta melhor, propondo o nome de “Espada e Feitiçaria”.

De fato, o nome resume os elementos essenciais do gênero. Há espadas (leia-se violência) e feitiçaria (elemento que evoca a fantasia medieval clássica, mas com um tom de mistério). A conjunção aditiva garante que os elementos devem estar juntos e evocam um passado ancestral, mítico e místico, muito similar e ao mesmo temo diferente daquele conhecido pela História.

Por Boris Vallejo

Na década de 60 Howard já havia influenciado uma gama considerável de escritores, dentre eles expoentes da ficção como os citados Moorcock e Lieber e até mesmo Gary Gygax, um dos pais do RPG mais famoso do mundo, Dungeons & Dragons, era fã de Conan.

Mas sua existência é muito mais antiga e está intimamente atrelada à revista pulp Weird Tales, que ficaria famosa, não só por estrear o gênero e seu personagem mais famoso, mas também por ter publicado as histórias de outros dois expoentes da literatura pulp, Howard Philips Lovecraft e Clark Ashton Smith. Os três eram amigos. É fácil notar a influência recíproca. Smith contribuiu para o chamado Mythos de Cthulhu, o paradigmático monstro de Lovecraft e há histórias em que Conan depare-se com algo que poderia ser classificado como o horror cósmico de Lovecraft, como em Xuthal do Crepúsculo.

Por Frank Frazetta

O triunvirato da Weird Tales foi muito influenciado pela obra de Lord Dunsany, um soldado irlandês autor de (entre muitas outras coisas) livros de fantasia. Para se ter uma ideia, seu livro Time and Gods teve muita influência sobre o maior expoente da fantasia medieval, J. R. R. Tolkien.

Mas, voltando à Espada e Feitiçaria. A primeira história do gênero foi The Shadow Kingdom, de Robert E. Howard, publicada na Weird Tales em 1929 e estrelada não por Conan, mas por Kull, que, assim como Conan, foi rei, pirata, soldado e muitas outras coisas (aliás, esse aspecto dos dois personagens sempre me faz lembrar de Xena – I have many skills…).

Há quem defenda que a história pode ser enquadrada no Mythos de Cthullu, mas de qualquer forma as bases do gênero, que seriam fixadas por Conan, já estão lá: reinos que lembram a nossa Antiguidade com elementos sobrenaturais, o horror cósmico de Lovecraft, ação e aventura. No entanto, a história não fez grande sucesso. Seriam necessários ainda mais alguns anos para que o mundo conhecesse a criação mais famosa de Howard.

O bárbaro cimério só faria sua primeira aparição em 1932, na história A Fênix da Espada, que originalmente era uma história de Kull e foi reescrita por Howard para que pudesse ser publicada na Weird Tales – uma prática muito comum no mercado editorial. Apenas quatro anos depois, ele não aguentaria a perda de sua mãe e se suicidaria, com 30 anos.

Capa da revista de estreia de Conan

Apesar disso teve uma carreira profícua. Com apenas 18 anos vendeu sua primeira história para a Weird Tales, com 22 anos podia viver de seu trabalho como escritor com o que poderia ser considerado um bom salário para os padrões dos Estados Unidos na década de 30. Escreveu sobre os mais diversos temas, tendo vendido mais de 160 histórias e deixando mais de uma centena não publicadas ou não terminadas.

Howard tem outros personagens muito interessantes como o mencionado Kull, Bran Mak Morn e Dark Agnes de Chastillon, mas sem dúvida sua maior contribuição para a cultura pop foi Conan e o gênero Espada e Feitiçaria, que até hoje, quase 90 anos após sua primeira aparição, inspira criações e  é capaz de se mostrar longevo e relevante.

Sobre Nerdbully

AKA Bruno Andreotti; Historiador e Mestre do Zen Nerdismo
Esse post foi publicado em Nerdbully e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Robert E. Howard, Espada e Feitiçaria

  1. Pingback: 5 Coisas que você talvez não saiba sobre o criador de Dungeons & Dragons | Quadrinheiros

  2. Show. Parabéns pelo texto

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s