A Invasão Ghibli na Netflix: o guia definitivo (Parte 1)

O guia para sua maratona!

O famoso Studio Ghibli foi fundado por Hayao Miyazaki e Isao Takahata (1935 – 2018) e um dos objetivos dos dois artistas ao fundá-lo era fazer animações que prendessem uma criança por mais de duas horas na frente da tela. Por isso, suas produções são, geralmente, longa-metragem.

Segundo a Netflix serão disponibilizados 21 filmes do estúdio  entre fevereiro e abril.

(Clique aqui para ver a parte 2 deste guia, com as animações disponibilizadas em março)

(Clique aqui para ver a parte final deste guia, com as animações disponibilizadas em abril).

Está disponível desde o dia 01 de fevereiro:

Castelo no Céu (1986): dirigido por Hayao Miyazaki, foi a primeira produção feita inteiramente pelo Studio Ghibli. Esta animação é baseada nas história de Jonathan Swift, das As viagens de Guliver, especificamente a terceira parte, em que Guliver encontra a ilha voadora Laputa. Na animação, Sheeta é uma menina que carrega uma pedra mágica que faz as coisas flutuarem. Tentando fugir de piratas e militares que são obcecados por Laputa, ela encontra Pazu, um menino que a ajuda a escapar dos inimigos. Muitas aventuras acontecem nessa viagem de Sheeta.

Tenkû no Shiro Laputa_Castelo no Céu

Meu amigo Totoro (1988): muitos costumam dizer que é a animação mais carismática de Hayao Miyazaki. O filme lembra trechos da literatura infanto-juvenil de Lewis Caroll em Alice no País das Maravilhas. Os filmes de Miyazaki são muito peculiares e meticulosos porque ele não apenas apresentou uma criança de 3 a 4 anos com suas feições físicas, mas com erros na fala, por ainda estar aprendendo a falar, e é daí que vem a palavra de Totoro, pois a garotinha Mei não conseguia dizer Troll corretamente.

Meu-Amigo-Totoro_Tonari no Totoro

O Serviço de Entrega da Kiki (1989): é um filme baseado nos contos de Eiko Kadono, uma escritora japonesa de literatura infanto-juvenil. Curiosamente, esta escritora já esteve no Brasil, morou por dois anos aqui e  escreveu Brasil e Meu Amigo Luizinho (Ruijinnyo shonen, Burajiru o tazunete), uma história sobre sua inspiração pela cultura brasileira. Esta animação, de Hayao Miyazaki, conta a transição de uma bruxinha que precisa descobrir que tipo de bruxa ela será. Muitos desafios passam por ela, até mesmo a incerteza se deveria ser uma bruxinha. Toda a ambientação desse filme tem como referência as cidades pequenas da Alemanha.

Majo.no.Takkyuubin.Kiki_Serviços de Entrega da kiki

Memórias de Ontem (1991): dirigido por Isao Takahata. É umas das mais simples e complexas animações  desse diretor. Toda a arte possui uma sutileza que, posteriormente, acaba se tornando arte registrada desse artista. Tem momentos em que as cenas parecem sumir da tela, dando mais emoção e sensações à narrativa. Esta animação conta o retorno de uma moça e todas as suas lembranças desde a infância. No decorrer do filme, não sabemos quanto é passado e quando é o presente, ficamos naquela sugestão do tempo e espaço. É um filme reflexivo e encantador!

only_yesterday_memórias de ontem_omohide poroporo

Porco Rosso – O último herói romântico (1992): de Hayao Miyazaki, é inspirado na vivência de seu pai que fazia timões para aviões de guerra. É um filme cheio de detalhes nos objetos, cenários e gestos dos personagens. Marco Pagot era um piloto de guerra que acabou sendo amaldiçoado e transformado num porco, porém, mesmo com essa feição, muitos da comunidade gostavam dele, menos os piratas do espaço Mamma Aiuto. A beleza dessa animação é o romance entre ele e seu antigo amor Gina, a apresentação da mão de obra feminina que substituíram os homens que foram e se perderam na guerra, a amizade entre Marco e Fio, mas, principalmente, as paisagens  e os céus do mar Adriático por onde Marco voa.

porcorosso_kurenai no buta

Eu posso ouvir o oceano (1993): baseado no romance de Saeko Himuro e dirigido por Tomomi Mochizuki. A ideia do Studio Ghibli era dar oportunidades a jovens funcionários do estúdio para que tentassem produzir algo com qualidade, mas com um orçamento menor. É uma história que aborda um triângulo amoroso entre adolescentes. Uma menina, Rikako, transferida de uma escola em Tóquio para Kochi, uma cidade na ilha Shikoku ao sul do Japão, precisa se adaptar para fazer novos amigos. Toda a arte e desenvolvimento do filme é maravilhosa, porém os filmes desses jovens emergentes do Ghibli não tiveram muita repercussão tanto no Japão quanto no exterior.

Eu Posso Ouvir o Oceano_Umiga Kikoeru

Contos de Terramar (2006): esta animação foi feita pelo filho de Hayao Miayzaki, Goro Miyazaki. O filme é baseado nos quatro primeiros livros da série Earthsea da escritora americana Ursula K. Le Guin. É uma história que envolve dragões, magos, traições, mistérios, segredos e aventuras. O mundo está desequilibrado e precisa ser restabelecido, mas para isso é necessário que haja arrependimentos. 

Tales of Earthsea_Contos de Terramar

Segue a programação de lançamento da Netflix:

01 de março:

Nausicaä do Vale do Vento (1984), Princesa Mononoke (1997), Meus Vizinhos, Os Yamadas (1999), A viagem de Chihiro (2001), O Reino dos Gatos (2002), O mundo dos pequeninos (2010), O conto da Princesa Kaguya (2013)

Meus Vizinhos-os Yamadas_Tonari no Yamada-kun

 1 de abril (mas é verdade – ou não):

PomPoko: A Grande Batalha dos Guaxinins (1994), Sussurros do coração (1995), O Castelo animado (2004), Ponyo – uma amizade que veio do mar (2008), Da Colina Kokuriko (2011), Vidas ao Vento (2013), Memórias de Marnie (2014)

Da Colina Kokuriko_Kokurikozaka kara

Apenas o filme Túmulos de Vagalumes (1995), de Isao Takahata, não acompanha esses lançamentos por causa de um acordo comercial com a distribuidora.

Voltarei a comentar cada um dos filmes conforme forem sendo disponibilizados pela Netflix, então aguardem a parte 2 e 3 deste guia.

Uma dica para quem quer se aprofundar no universo das animações japonesas é a exposição que acontecerá no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em São Paulo, entre os dias 12 e 24 de fevereiro, “Anime: O Fantástico Mundo das Animações Japoneses”. Além de animações japonesas renomadas como Ghost In the Shell, Akira, Páprika etc. serão exibidos duas animações do Studio Ghibli: O Conto da Princesa Kaguya, Vidas ao Vento.

Este ano de 2020, em que Tóquio sediará as Olimpíadas, parece ter se tornado uma boa oportunidade para vermos e revermos os maravilhosos e encantadores filmes do Studio Ghibli.

Porco Rosso-o último herói romântico_Porco Rosso_Kurenai no Buta

Sobre Mochi

Atingiu o estado de Olhos Grandes nas ilhas do Oriente Silencioso.
Esse post foi publicado em Mochi e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para A Invasão Ghibli na Netflix: o guia definitivo (Parte 1)

  1. Pingback: A Invasão Ghibli na Netflix: o guia definitivo (Parte 2) | Quadrinheiros

  2. Pingback: A Invasão Ghibli na Netflix: o guia definitivo (Parte Final) | Quadrinheiros

  3. Pingback: Baron: um dos gatos do Studio Ghibli | Quadrinheiros

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s