Dias de um futuro esquecido: Grant Morrison e a Crise pré-reboot

Diz a lenda que quando a saga Crise Final (2008-2009) foi lançada o objetivo de seu autor, Grant Morrison, era rebootar o universo DC. Estava em seus planos também fazer a Tríade da DC (Superman, Batman e Mulher-Maravilha) ascender e se tornarem deuses.

Três indícios comprovam essa hipótese:

1. O pôster de divulgação dizia: “Heróis morrem, lendas vivem para sempre”.

2. Ao final da saga, o que acontece (spoilers nas próximas linhas) é que a Terra é de fato destruída e refeita, que seria o Quinto Mundo, a era dos “homens como deuses” e, além disso, a volta definitiva do Multiverso, enterrado durante a Crise nas Infinitas Terras (1985-1986).

3. Somos informados que as a anomalias temporais foram corrigidas e a coerência e harmonia restauradas. O que quer que isso signifique.

Bom, o fato é que o tal do reboot e a ascensão da Tríade não rolaram. Os motivos elencados seriam o veto dos editores e a rejeição dos leitores quanto a um possível reboot.

E eis que em 2011 a DC lança a saga Flashpoint e reboota o Universo DC inteiro… assim, do nada!

Os motivos mercadológicos do negócio já foram mencionados aqui. Numa saga de qualidade duvidosa, toda a cronologia do Universo DC foi (novamente) apagada e os “Novos 52” lançados.

Agora, do ponto de vista criativo, essa decisão faz sentido? Muito pouco. A decisão foi simples do ponto de vista mercadológico, mas imbecil do ponto de vista criativo: continuar o que está dando certo (na época, a única coisa que vendia bem e agradava os leitores na DC era o Lanterna Verde, com as sagas A Noite mais Densa e depois O Dia Mais Claro e o Batman alavancado pelo Grant Morrison) e apagar o que estava dando errado.

O Universo DC foi achatado em cinco anos (data do início do aparecimento dos super-heróis até “agora”), criando a mais confusa linha temporal de todos os tempos (trocadalho do carilho)!  Tudo o que foi escrito continuava valendo pro Batman, mas não pro Super-Homem!

Até hoje ninguém consegue explicar direito o que vale ou não na DC, mas o reboot deu mesmo uma impulsionada nas vendas das revistas, que passou a bater a Marvel em vendas, o que não acontecia fazia já algum tempo.

Os “Novos 52” têm realmente algumas histórias boas (como o Aquaman de Geoff Johns e o Superman do Morrison, voltarei a falar disso brevemente) e se provaram uma decisão acertada, mas… PQP! Precisava ter sido feito tão cagado?

Anúncios

Sobre Nerdbully

Mestre do Zen Nerdismo.
Esse post foi publicado em Nerdbully e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

10 respostas para Dias de um futuro esquecido: Grant Morrison e a Crise pré-reboot

  1. Pingback: SUPERGODS, a nova DC Comics | Quadrinheiros

  2. Pingback: HISTÓRIAS SEM FIM (ou “Brasil: o túmulo do gekiga”) | Quadrinheiros

  3. Pingback: Tudo isso já aconteceu antes e vai acontecer novamente: o conflito de gerações na cultura pop | Quadrinheiros

  4. Pingback: O Pecado Original da Marvel (e DC) | Quadrinheiros

  5. Pingback: Universos, Multiversos e a DC | Quadrinheiros

  6. Pingback: Por que a Marvel vende mais que a DC? Convergence e o “fim de tudo” | Quadrinheiros

  7. Pingback: Quadrinheiros ao Vivo: Superman vs Batman e a história da DC Comics | Quadrinheiros

  8. Pingback: Quadrinheiros Explicam: a história da DC Comics na Martins Fontes Paulista | Quadrinheiros

  9. Pingback: Quadrinheiros Dissecam E14S01 – CRISE nas Infinitas Terras | Quadrinheiros

  10. Pingback: 11 atos sórdidos praticados pelos heróis nos quadrinhos | Quadrinheiros

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s