Quatro momentos inesquecíveis do MCU

Momentos memoráveis desses 11 anos de MCU!

 

 

 

 

 

Mas antes, se você curte os filmes da Marvel, venha bater um papo com a gente sobre A Saga do Infinito e o Legado da Marvel no cinema no Coletivo Geek. Clique aqui e confirme sua participação no Facebook.

Mais detalhes sobre o evento aqui. 

Agora vamos aos momentos…

Nota: propositalmente não foi mencionado nenhum acontecimento de Vingadores: Ultimato em respeito àqueles que ainda não assistiram o filme. 

HULK POR NERDBULLY

Na última cena do quase esquecido filme do Hulk com Edward Norton vemos Bruce Banner meditando. Algo está acontecendo e, de repente, seus olhos estão brilhando num tom de verde, ele abre um sorriso. Há um contador que marcam os dias sem incidente, que é zerado quando isso acontece.

A impressão é que Banner perdeu novamente o controle e o sorriso já um sinal da manifestação do Hulk.

Mas ao vermos novamente o personagem, já interpretado por Mark Ruffalo em Vingadores, ficamos sabendo o que de fato aconteceu.

Banner não havia perdido o controle em sua meditação, mas ao contrário, conquistou o domínio sobre o Gigante, e o momento em que Banner revela que está sempre nervoso apresenta uma outra camada de interpretação para quem viu e se lembra do seu filme solo, infelizmente o único.

 

CAPITÃO AMÉRICA 2 – O SOLDADO INVERNAL POR VELHO QUADRINHEIRO

Em 2014 haviam sido lançados sete filmes da Marvel e até então, exceto por uma grave crise de ansiedade de Tony Stark em Homem de Ferro 3 (2013), não houve nenhuma consequência palpável na realidade em que habitam os heróis. Ao final de cada episódio, a ordem era restabelecida e a vida continuava como antes para eles e todo o planeta. Mas tudo mudou a partir do momento em que o Capitão América descobre a infecção da SHIELD pela HYDRA e resolve derrubar toda a organização de vez.

Foi naquele momento em que ficou claro que mais do que uma série de “transposições” dos quadrinhos para outra mídia, havia uma grande história sendo contada no Universo Marvel do Cinema. As consequências de cada etapa edificavam as histórias seguintes, com efeitos irreversíveis (e trágicos) para os heróis. Sem a SHIELD, cabia aos Vingadores proteger a Terra. Mas como bem sabia Bruce Banner, nada mais instável que os Vingadores, e o desastre era certo.

Para o Capitão América, derrubar a SHIELD foi uma espécie de emancipação, quando ele passou a ser o líder de fato deste universo. Para nós, como espectadores, foi como aceitar uma promessa, um voto de confiança de que, ao final, essas histórias revelariam o significado do que é ser um herói.

 

HOMEM-ARANHA POR PICARETA PSÍQUICO

Como os direitos sobre os personagens X-Men e Homem-Aranha haviam sido vendidos para estúdios de cinema ainda nos anos 1990 para salvar a editora Marvel da falência, a construção do MCU pela Marvel Studios foi feita sem mencionar essa parte essencial do Universo Marvel dos quadrinhos. Mas o sucesso de bilheteria dos filmes que a Marvel produziu levou a Sony a aceitar uma parceria, cedendo os direitos personagem que havia adquirido.

No 13º filme da Saga do Infinito – Capitão América 3: Guerra Civil (2016) – finalmente o adolescente Peter Parker se torna Vingador por um dia. A cena do Cabeça de Teia roubando o escudo do Capitão América que aparecia nos trailers, criou uma enorme ansiedade no público. No cinema a aparição do Homem-Aranha e sua interação com outros heróis da Marvel foi um dos momentos mais antecipados e adorados pelos fãs dos filmes e pelos fãs dos quadrinhos.

 

PANTERA NEGRA  POR JOHN HOLLAND 

Pantera Negra foi o último filme do MCU antes de Vingadores: Guerra Infinita e os olhos de todos estavam voltados para a reunião dos heróis. Pantera Negra precisava apresentar uma mitologia, um reino, um herói e uma história interessante, o filme não só fez isso, como conseguiu tornar seu sucesso independente de Vingadores e consertou uma das maiores deficiências do MCU que foi a introdução de um bom vilão, este último aspecto rendeu uma das cenas mais importantes do universo Marvel nos cinemas.

Essa cena entre os dois foi direta e fortaleceu a mensagem anti-racista da história. O diálogo marcou o filme e colocou sob ele o véu definitivo do primeiro filme do MCU que tocou em pontos socialmente relevantes para seu tempo, trazendo com ele um novo nível de discussão para o universo e uma nova legião de fãs para o Pantera Negra.

*

Quer saber mais e conversar sobre o MCU? Então venha bater um papo com a gente sobre A Saga do Infinito e o Legado da Marvel no cinema no Coletivo Geek. Clique aqui e confirme sua participação no Facebook.

Mais detalhes sobre o evento aqui. 

Sobre Nerdbully

AKA Bruno Andreotti; Historiador e Mestre do Zen Nerdismo
Esse post foi publicado em John Holland, Nerdbully, Picareta Psíquico, Velho Quadrinheiro e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s