O que Transmetropolitan ensina sobre Marielle Franco

Em épocas suspeitas, é bom revisitar a verdade de Spider Jerusalém

Mais uma vez Transmetropolitan faz um paralelo com nossa realidade em uma possível execução política no dia 14 de março. O caso de Marielle Franco assemelha-se ao de Vita Severn, personagem no meio da política de Transmetropolitan que também foi assassinada.

Antes de seguir, se você não conhece a HQ, vale a pena ler esse texto, e também ver o vídeo abaixo:

Transmetropolitan costuma tratar de muitos temas, mas um dos mais evidentes é seu cunho político. O jornalista radical Spider Jerusalém conheceu Vita Severn, considerada por ele o único ser humano que já conheceu dentro da política. Vita pede a Spider que apoie o candidato à presidência que ela está assessorando, o Sorridente. Segundo Vita, ele é o único que poderia tirar o atual presidente (conhecido como a Besta) do poder.

Spider não gosta do candidato, que dá claros sinais de não ser confiável e aposta muito em uma imagem falsa, lembrando figuras carimbadas da demagogia política brasileira. Entre a Besta e o Sorridente, Spider opta pelo apoio ao segundo, afinal, um ponto a favor dele é ter Vita Severn  ao seu lado. Entre dois monstros, um tinha alguém com bom senso no time.

Spider Jerusalém descobre que o vice do Sorridente, é um homem criado em uma fazenda de políticos, uma fachada, em que os “frutos” são produzidos para não ter histórico, nem podres. Seu propósito é exclusivamente vencer uma eleição. Não possuem nenhum tipo de habilidade política, nem conhecimentos, nem procuram o bem da sociedade. O presidente faz barganhas políticas para esse vice em troca da candidatura. A situação exposta por Spider claramente se tornaria um problema no partido, e não demora muito para a associarem o artigo de Spider e Vita. Logo em seguida, Vita é alvejada violentamente com um tiro na cabeça durante uma entrevista ao vivo, na frente de toda a cidade.

Claro, o caso não é exatamente igual ao de Marielle Franco, porém, a execução levantou novamente a discussão que envolve assassinatos políticos. No dia 14 de março Marielle Francisco da Silva saiu de um evento que discutia a atuação de mulheres na política. Executada junto ao motorista, nenhum tipo de pertence foi levado nem o carro foi roubado.  Ela era defensora dos Direitos Humanos, se opunha à militarização da polícia e tinha fortes críticas quanto a intervenção federal acontecendo no Rio de Janeiro. Também  estava à frente de projetos que defendiam os direitos das mulheres, como uma ampla divulgação das situações de casos de aborto, a criação de um observatório de proteção a criança e ao adolescente, entre outros.

No Brasil é recorrente o histórico de assassinato daqueles que de alguma forma podem impactar politicamente e socialmente o país. Desde a lei da Anistia de 1979, tivemos aproximadamente 1345 assassinatos políticos em território nacional, número mais do que preocupante.

Como também citado em Transmetropolitan existe um equivoco por parte da população em pensar que o sistema político é resumido em cargos públicos. A política é feita em diversos meios, com graus e influências diferentes, com a contribuição de todos.

O mundo ficcional criado por Warren Ellis está cada vez mais atual. Infelizmente não temos um Spider Jerusalém para expor a verdade de forma tão contundente. A desinformação é uma constante. Assassinatos políticos costumam chocar as pessoas e protestos foram feitos tanto no universo de Vita quanto no Brasil.

Marielle, assim como Vita, incomodou alguém. O significado disso não deve ser menosprezado.

Anúncios

Sobre John Holland

Procurando significados em páginas de gibi enquanto viaja pelos trilhos do conhecimento e do metrô. Sempre disposto a discutir ideias e propagar os quadrinhos como forma de estudo, adora principalmente a Vertigo, está sempre disposto a conhecer novos quadrinhos e aprender o máximo de coisas possível!
Esse post foi publicado em John Holland e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para O que Transmetropolitan ensina sobre Marielle Franco

  1. xjoaogabrielx disse:

    Parabéns pela atitude em falar sobre a Marielle. Em uma época em que muitos preferem se omitir, é importante que criadores de conteúdo (sérios) se pronunciem sobre os importantes fatos ocorridos em nosso mundo, e não hajam como se nada estivesse acontecendo…

  2. Ótima reflexão e comparação, são com casos tão inescrupulosos e fatídicos como este, que percebemos como o mundo dos quadrinhos não exagera tanto com suas histórias ou metáforas. A arte é um ótimo meio de crítica, assim como construção e desconstrução de muitas ideologias.

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s