Garimpando a DC Comics – top 10 + 1 (do que deu pra salvar dos novos 52…)

Olhando uma lista das 100 melhores histórias em quadrinhos do ano passado fiquei procurando os títulos da DC Comics dos Novos 52 pra ver como anda a avaliação dessa renovação de uma das maiores editoras americanas, detentora dos direitos sobre os personagens mais icônicos da cultura pop. Por mais questionável que seja apagar toda a cronologia (e décadas de histórias) e reiniciar todo um universo de personagens, esse novo olhar sobre as origens e as relações entre esses heróis renovaram o mercado dos quadrinhos, consolidando um mercado pro quadrinho digital e puxaram uma resposta da Marvel, além de promover essa mídia como um todo.

Como era de se espera o grau de inovação é pequeno. A repetição de fórmulas , a volta a características clássicas dos personagens ou a tática de marketing de colocar à frente do título um desenhista estrelado (estilo anos 90) foram as principais ferramentas de todo esse movimento, mas apesar disso é possível encontrar aqui e ali algum conceito forte, alguma história nova, alguma arte criativa. Essa lista é sobre esses pequenos detalhes que valem a pena (a numeração do ranking atende a critérios pessoais e obviamente não leva em consideração o sucesso editorial).

11  Lanterna Verde de Geoff Jones e Mike Choi

green 1

É mais do mesmo. Geoff Jones só repete todas as inovações que ele mesmo já havia introduzido no universo dos Lanternas só que agora, pós reboot, de forma mais organizada, explorando o conflito entre Sinestro e Hal Jordan de uma maneira mais agressiva e direto ao ponto. Ele deixa o título quando completar a saga do primeiro Lanterna. Vamos ver no que isso vai dar…

10 –  Aquaman de Geoff Jones e Ivan Reis

aquaman

Um pouco na esteira do que ele tinha feito com o Lanterna Verde antes do reboot, Geoff Jones criou um mini universo pra esse herói, fazendo piada da baixa credibilidade dos poderes telepáticos que controlam peixes, mas levando a sério a nobreza e os conflitos internos do personagem. Os desenhos de Ivan Reis reforçam a ideia de uma história de super herói clássica. A divisão das páginas é bastante conservadora  mas os traços são muito expressivos e dinâmicos. O resultado é acima da média, e cria uma base sólida pra futuras reinvenções.

9 – Stormwatch de Paul Conelle Miguel Sepulveda / Peter Milligan e Will Conrad

Stormwatch 1

Juntar o Authority ao Caçador de Marte e  colocá-los dentro de uma nave Demonita que à revelia os transporta pela sangria. É tão improvável que um roteiro costurado assim funcione que no fim é isso mesmo que acontece. A natureza bizarra das missões do grupo e a mudança rápida de membros dão uma boa dinâmica a história. Destaque pro Jack Hawksmoor conversando com a personificação das cidades na edição 3.  Apesar de ter passado pela mão de 3 roteiristas diferentes em 1 ano, a série é sólida. Peter Milligan é um escritor habilidoso mas não excepcional (que já fez um pouco de tudo e por isso mesmo sabe conduzir uma história). Na edição 19 chega um novo time criativo – a lenda Jim Starlin nos roteiros promete trazer o Lobo pra quebrar tudo.

8 – Batman de Scott Snyder e Greg Capullo

bat 1

A Corte das Corujas seguido de Morte da Família trás de volta uma aspecto fundamental na mitologia do personagem – o conceito de família/legado. Desde a morte dos pais ao relacionamento paternal entre o mordomo Alfred e seu patrão Bruce Wayne, passando pela relação do personagem principal com seus protegidos Robins (sendo que um deles é seu filho legítimo), se estendendo pela história dos antepassados de Wayne. Scott Snyder passeia por muitos aspectos dessas relações complicadas enquanto apresenta novos inimigos que fazem parte da construção da cidade de Gotham (outro elemento chave na história do personagem), e na sequência o palhaço do crime sobe ao palco. Os desenhos de Greg Capullo são grandiosos e potencializam a dramaticidade desse teatro alado.

7 – Action Comics de Grant Morrison e Rag Morales

sup 1

Como prometido em seu livro “Supergods”, Morrison revisita várias características do Super Homem de 1932 e as recontextualiza pro século XXI. O início da carreira do herói leva em consideração perguntas que seriam naturais a alguém com tamanhos poderes. Destaque pra edição número 10 da Action Comics onde o Super discute com os outros heróis da Liga os limites das ações deles na busca por ideais de igualdade e justiça. Os desenhos de Rag Morales tem um toque de nostalgia e fazem várias referências a cenas clássicas de Joe Shuster e Jerry Siegel.

6 – Shazam! de Geoff Jones e Gary Frank

sh 1

De novo Geoff Jones! Ele já fez de tudo um pouco na editora e conhece bem o material por isso dão pra ele os títulos peso pesados pra ver se o cara alavanca. Assim como nos dois casos anteriores ele traz todas as referencias originais do personagem de uma forma mais realista. No caso de Shazam isso muda tudo porque os elementos de fantasia da série sempre foram muito fortes, o que afastou o personagem do publico a partir dos anos 80. Billy Baxton é uma criança calejada pelos orfanatos e pelas famílias adotivas pelas quais passou, e focar a história nessa premissa é o que faz com que seja divertida a leitura. Com a magia tomando mais o espaço da DC (com a Liga Dark e o Constantine em NY), as possibilidades de bons roteiros futuros aumentam. Destaque pra arte de Gary Frank que aumenta esse realismo buscado pelo autor. Uma das minhas preferidas dos 52 que mesmo com poucas páginas a partir da edição 7 de Liga da Justiça (aliás, 5+2=7), traz de volta a aura da Era de Prata.

5 – Mulher Maravilha de Brian Azzarello e Tony Akins / Cliff Chiang

ww1

Finalmente! A parte menos badalada da trindade da DC passa a ter peso igual (ou maior) aos outros dois. O Panteão grego entra em cena e a partir da revisão da origem da personagem a complexidade das relações de parentesco levam a história a uma trilha épica que moderniza personagens que serviram de inspiração pra construção do próprio universo DC.  A diagramação clássica e os desenhos limpos reforçam a importância e a seriedade com a qual as aventuras da heroína sempre deveriam ser tratadas. Brian Azzarello surpreende pela naturalidade como conduz a história.

4 – Homem Animal de Jeff Lemire e Steve Pugh

ha1

O estranhamento que os desenhos de Steve Pugh causam desde a primeira página já apontam pro roteiro de terror imaginado por Jeff Lemire. Alguma soluções gráficas beiram o grotesco, e o conceito de Vermelho e Podridão renovam o personagem levando ele e toda a família numa busca/fuga imprevisível. Volta ao topo depois do ostracismo pré reboot.

3 – Monstro do Pantano de Scott Snyder e Yanick Paquette / Marco Rudy

sw 1

A arte impactante de Yanick Paquette, dividindo os quadros das paginas de forma orgânica e mais uma vez os roteiros inteligentes de Snyder que esconde o monstro por 6 edições até finalmente mostrá-lo no ápice de seus poderes elementais, são de tirar o fôlego. O conceito de Verde X Podridão que reintroduz modernizado o par romântico de Alec Holland e Abigail Arcane conduz esse terror vertiginoso e o cruza com o argumento do Homem Animal. Força total para esse personagem que já foi reinventado de forma inteligente algumas vezes.

2 – Batwomam de J. H. Williams III e  W. Haden Blackman

batw 2

É como se Batman fosse mulher desde sua concepção como personagem de quadrinhos. As histórias no submundo de Gotham, a relação entre a heroína e o departamento de polícia, a parceira no combate ao crime, e identidade secreta. J. H. Williams sabe escrever uma história, mas impressionante mesmo é o que ele faz com um lápis. Se a nona arte tem alguns ícones como Moebius e Mazzuchelli no seu panteão, Williams já conquistou seu espaço entre os grandes. Os malabarismos técnicos que ele desenvolveu nos seus anos trabalhando com Alan Moore em Promethea lapidaram seu talento a um ponto fora do comum. Depois de cada edição você volta as páginas pra olhar as minúcias da concepção gráfica de cada cena e os detalhes narrativos das diferentes técnicas de desenho. Destaque pra cena de sexo entre a heroína e a policial (sim, Batwoman é lésbica) que é justaposta ao dialogo do vilão que anuncia sua luta com a sidekick na edição 4. Incrível!

1 – Disque H de China Miéville e Mateus Santolouco

dial 2

Criada em 1966 essa série já teve várias versões. A premissa é interessante – um disco de telefone (de antes do celular) que permite que uma pessoa comum se transforme num super herói por um breve período de tempo, ao discar 4376 (H-E-R-O). Cada vez aparece um herói diferente com poderes e uniforme único. Discar outros números (formando outras palavras) tem consequências diferentes. Um título lado B meio nonsense muito bem escrito por Mieville que trás de volta a sensação de estar lendo algo novo e cheio de possibilidades. Aliás China Mieville é professor de redação criativa e já ganhou diversos prêmios de literatura. Ele faz parte do movimento New Weird que é fortemente influenciado pela ficção de P. H. Lovecraft. Além de Dial H ele dividiu o argumento de uma história especial em Hellblazer 250. Mais uma vez roteiros de escritores de outras mídias (literatura de ficção, neste caso), dão uma renovada no gênero dos quadrinhos que na maior parte do tempo peca pela repetição.

Anúncios

Sobre Picareta Psíquico

Uma ideia na cabeça e uma história em quadrinhos na mão.
Esse post foi publicado em Picareta Psíquico e marcado , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Garimpando a DC Comics – top 10 + 1 (do que deu pra salvar dos novos 52…)

  1. Quotista disse:

    Eu acrescento All Star Western e Sgt. Rock.

  2. Pingback: Guerra dos Roteiristas E09 – J. Michael Straczynski x Scott Snyder | Quadrinheiros

  3. Pingback: Guerra dos Roteiristas E11 – Brian Azzarello X Brian Wood | Quadrinheiros

  4. Pingback: The Heap e a história por trás dos monstros do pântano | Quadrinheiros

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s