O que é a Pop Magic de Grant Morrison?

POP MAGIC! é Magia Para o Povo. POP MAGIC! É Magia Nua. POP MAGIC! tira os sete véus e lhes mostra as tetas do infinito.”

Oi?

Para quem não conhece muito sobre Grant Morrison, um dos escritores mais prestigiados da indústria dos quadrinhos, pode não saber que ele é um mago, mas o careca de Glasgow destoa muito daquele arquétipo do velho misterioso, que vive soltando charadas enigmáticas usando uma varinha mágica e outros acessórios. Para Morrison, a magia é algo fácil de se fazer, qualquer um pode praticar, e muitos dos elementos mágicos estão presentes em seus quadrinhos.

Ao longo dos anos, Grant criou uma visão própria da magia e a partir de suas experiências desenvolveu um método próprio chamado “Pop Magic”.

Mas o que é a Pop Magic?

Tudo o que você precisa para começar a praticar magia é concentração, imaginação,
habilidade de rir de si mesmo e aprender com os erros.
”, afirmou Morrison em The Book of Lies: The Desinformation Guide to Magick and the Occult.

Essa é uma das máximas da Pop Magic: o iniciante não precisa de muito para adentrar no caminho da magia, bastando apenas dedicação em extrair as coisas de sua mente (concentração e imaginação), e a constante autorreflexão afim de analisar o que está funcionando – ou não – para continuar evoluindo. Se fôssemos definir brevemente (mais do que o próprio Morrison), Pop Magic seria um modo prático e mais fácil de fazer magia.

Os Invisíveis talvez seja a HQ onde Grant Morrison tenha inserido mais elementos de magia, embora o quadrinho não tenha esta única pretensão. Filosofia, linguagem e desigualdade social são alguns de tantos temas existentes, havendo diversas outras ideias no interior da trama que enriquecem a experiência de leitura. Muito da concepção de mágica do autor influencia em sua criatividade, em seu modo de ver as histórias em quadrinhos e de como escrevê-las.

Morrison é um sujeito muito pragmático e experimental. Para ele não é suficiente que hipóteses tenham bons argumentos, Grant gosta de testar e verificar na prática se uma ideia realmente funciona.

Ele esclarece, “Qualquer coisa que você possa imaginar, qualquer coisa que você possa simbolizar, pode ser feito para provocar mudanças mágicas em seu ambiente.

Dentro dos métodos mágicos totalmente práticos abordados na Pop Magic, Morrison assinala a importância dos selos. Selo é um artifício pelo qual uma pessoa pode realizar suas vontades. Para tanto é preciso escrever uma frase com o respectivo desejo, e ao manipular esta frase, a transforma num símbolo. Este símbolo deverá ser carregado pelo conjurador do artifício para funcionar, assim como uma bateria. Mas isso não basta. Para o desejo finalmente se concretizar, é necessário realizar um ato intenso e, no momento do clímax desse ato, pensar no símbolo criado, imaginando vivamente cada detalhe, até o ponto em que a imagem se torne nítida na mente, assim ativando o selo. Inclusive, certa vez Morrison ensinou seus leitores a fazerem um selo para impedir que o seu quadrinho, Os Invisíveis, fosse cancelado. Aparentemente parece que funcionou.

Quando King Mob identifica um sigil em "Os Invisíveis".

Quando King Mob identifica um selo em “Os Invisíveis”.

Grant Morrison fala ainda que Os Invisíveis é um hyperselo. Nas palavras do próprio mago:

O hiperselo é um selo estendido pela quarta dimensão. Minha série de quadrinhos Os Invisíveis foi um selo que durou 6 anos sob a forma de uma aventura do oculto consumindo e alegrando a minha vida durante o período de duração e execução.”

Ou seja, seria como a colocação do desejo dele no mundo e torna-lo público, assim as ideias seriam reproduzidas e ganhariam muito mais força na sociedade.

A própria criação de Os Invisíveis beira os terrenos do sobrenatural. Em 2010, Morrison afirmou que passou por uma abdução alienígena em um quarto de hotel, e a partir deste encontro ele recebeu de entidades superiores, mensagens que teriam fornecido as bases do conceito de Os Invisíveis.

Fica claro que o mago Grant Morrison não é muito diferente do Grant Morrison escritor. Consequentemente, a magia, elemento tão constante na vida dele, também está presente em suas HQs, seja na introdução de referências, na manipulação de símbolos durante a história, na fala de algum personagem ou até mesmo na composição de roteiro de alguma obra. Morrison costuma falar de magia e da Pop Magic com um bom sorriso no rosto, sempre com muita transparência, e frequentemente reforça que ela pode ser muito divertida.

É de se pensar, ele realmente está falando a verdade? Sua Pop Magic de fato funciona? É o convite para cada um investigar. Comprovar por conta própria é a magia da questão.

 

Anúncios

Sobre Goes Murdock

Teve suas faculdades psíquicas ampliadas ao entrar em contato com as Luzes Captológicas. Nos bares de São Paulo, entre um vinho e outro, não se cansa de dizer aos amigos o poder transformador dos quadrinhos. Ler e escrever é uma necessidade diária assim como comer, e mesmo rodeado de cardápios culturais sente fome de conhecimento.
Esse post foi publicado em Goes Murdock e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para O que é a Pop Magic de Grant Morrison?

  1. Pingback: Podcast Papo Quadrinheiro #1: Moore vs Morrison! | Quadrinheiros

  2. Pingback: Inumanos e o problema do Branding | Quadrinheiros

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s