Lodoss War: o D&D com o DNA oriental

lodoss capa postConheça a obra que começou em uma mesa de RPG.

Por Marcelo Manaro*

The Record of Lodoss War é uma série criada em 1986, pelo autor Ryo Mizuno em formato light novel, espécie de folhetim, e são as transcrições das sessões de RPG (Role Playing Game) ministradas pelo autor, que ficaram muito famosas, gerando várias adaptações para mangá, animê, videogame etc.

A adaptação que fez mais sucesso no ocidente, foi a série em OVA’s (sigla para Original Video Animation), que vai se basear levemente nos volumes das light novels “The Gray Witch” (vol1), “Blazing Devil” (vol2) e “The Demon Dragon of Fire Mountain” (parte 1 e 2, que são os volumes 3 e 4), contendo 13 episódios. Ali  vamos acompanhar um grupo liderado por Parn, personagem principal dessa história, um jovem guerreiro que sonha em se tornar um cavaleiro e que luta pela justiça. Ele é acompanhado de Etoh, um clérigo de Pharis, o deus supremo, é amigo de infância de Parn; Deedlit, guerreira élfica que decidiu sair da sua tribo e conhecer o mundo; Slayn, um mago humano da escola dos sábios; Ghim, um anão guerreiro que está à procura da filha de uma amiga que está desaparecida e, por fim, Wood-Chuck, um ladino de meia idade que saiu há pouco tempo da prisão. Na descrição do grupo fica bem claro a influência do RPG mais jogado do mundo, Dungeons and Dragons, mais conhecido como simplesmente D&D.

lodoss personagens

Chegaram pela Panini os mangás “A Lenda do Cavaleiro (2006)”; “A Bruxa Cinzenta (2007)”; “A História de Deedlit (2007)” e “A Dama Pharis (2008)”. Recentemente foi publicada pela NEWPOP a light novel A Bruxa Cinzenta, mais farta na descrição e aprofundamento do cenário e personagens se comparado ao mangá ou animê.

O mundo fantástico em que se passa a narrativa é Lodoss, na verdade, uma ilha ao sul do continente de Alecrast. Segundo a light novel, a viagem entre a ilha e o continente demorava cerca de 20 dias e era uma viagem muito perigosa, tornando Lodoss praticamente isolada do continente. A lenda diz que em tempos antigos a ilha fazia parte do continente, mas houve uma guerra entre o deus da luz Pharis contra o deus das trevas Falaris. O conflito arrastou todos os outros deuses e no fim restaram apenas Kardis, deusa da destruição e Marfa, deusa da criação. Marfa venceu Kardis, mas não antes dela amaldiçoar Alecrast e, para que a maldição não se espalhasse, Marfa separa o pedaço de terra, a ilha de Lodoss.

lodoss capas

As pessoas do continente geralmente se referem a Lodoss como a ilha amaldiçoada, o nome de alguns lugares acabou colaborando para isso como a ”A Floresta sem Volta”, “Deserto do Vento e Fogo”, “A Ilha das Trevas de Marmo”. Além disso conta-se que apenas trinta anos das aventuras de Parn uma guerra contra demônios terminou, sendo a vitória do povo livre alcançada graças à união dos diferentes senhorios e apenas com o fim da guerra os reinos começaram a florescer.

É interessante a forma como cada um dos seis reinos de Lodoss detém alguma qualidade que o identifica. Moss é um reino localizado a sudeste da ilha, regido pelo rei Mycen, também conhecido como “Rei dos Cavaleiros Dragão”; no centro da ilha fica localizada Valis, regido pelo rei herói Fhan, um dos heróis que derrotaram o rei demônio durante a guerra; ao norte de Valis fica o reino de Flaim, um reino jovem regido por Kashoe, rei mercenário e herói fundador do reino; Kanon localizado na região sudeste, sendo seu rei um rei sábio, reino conhecido por sua beleza natural; Alania, que fica localizado a nordeste, é o reino mais antigo, o castelo feito por anões é o orgulho de seu povo. Por fim temos uma ilhota localizada ao sul, Marmo, onde vivem inúmeros monstros e criminosos exilados para este local. Durante as aventuras de Parn, seu regente é Beld, espécie de regente maligno, um dos antigos heróis da guerra contra os demônios. Uma curiosidade é que Fhan e Beld eram amigos durante a guerra contra os demônios.

mapa lodoss

O charme de Lodoss talvez seja maior para quem joga ou jogou RPG, principalmente D&D, pois muitas criaturas, lendas e personagens são reconhecíveis para esse público. Mas o que fascina mais é a história ter início, meio e fim, pois o grupo de Parn vai ter sua aventura até o fim do OVA ou até o fim da história da A Bruxa Cinzenta. Depois disso, no arco Lenda do Cavaleiro, um outro grupo de heróis assume o protagonismo e os personagens antigos parecem como conselheiros ou guias, dando a sensação de que Lodoss é verdadeiramente um mundo à parte, assim como os cenários de RPG, jogados e compartilhados por seus grupos anos, às vezes décadas.

Então fica aqui o convite para você conhecer essa obra em seus mais diferentes formatos, e, quem sabe, também aventurar-se em uma partida de RPG.

*  Graduando em Letras – Português/Japonês, praticante de Karate Shorin-ryu e Okinawa Kobudo, faz parte do projeto Guardiões Perdidos, fã de quadrinhos, mangá e cultura oriental.

stranger things rpg quadrinheiros capa

Sobre theredshirts

Blogueiros convidados ou que se convidam. Fale com a gente em nossa página no Facebook.
Esse post foi publicado em Red Shirts e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Lodoss War: o D&D com o DNA oriental

  1. Mike Wevanne disse:

    Adquiri o volume da New Pop, espero que publiquem as demais sagas… Seria legal ver os mangás sendo republicados, infelizmente não tive oportunidade de adquirir na época em que sairam.

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s