O Hobbit: O dia que fui descalço ao shopping ou o dia que fiz cosplay para ir a uma pré estréia

Sim, meus caros!

Eu já andei descalço por um shopping, e pior, estava de cospobre de Hobbit! Mas eu tinha uma boa causa (na verdade tenho, e vocês já vão entender o porquê). Estou escrevendo esta primeira parte do texto ainda antes do fato acontecer, porém, ele já é uma certeza (e quando o texto foi postado, eu já tinha pisado, logo estou escrevendo dentro de um paradoxo temporal!).

Estava eu em minha residência quando recebi uma ligação que foi da seguinte maneira:

– “Alô! Tudo bom? É o seguinte: você quer ir hoje na pré estréia do Hobbit?”

– “CLARO! Onde como q…”

– “Só que tem um porém: precisa ir fantasiado!”

– “Mas quanto fatasiado??”

– “Tipo fantasiado mesmo”

– “Ok, vou tentar…” – Desliguei o telefone e fui correndo revirar minhas roupas, e no final, até que saiu algo interessante:

 Eu e meu irmão com as fantasias de Hobbit na pré estréia

Eu e meu irmão com as fantasias de Hobbit na pré estréia

Narrei um pouco dessa saga pessoal porque no fundo a Jornada de Bilbo começou um pouco assim, Inesperada! Ele foi pego de supresa e jogado numa corrida por um tesouro que até então ele não conhecia. E essa jornada abriu ainda mais portas, que levaram a surgir todo o universo do Tolkien.

Pera, para tudo. Você ainda não entendeu? Vou explicar com mais calma.

Essa semana, mais precisamente no dia 14 de dezembro, vai rolar a estréia mundial do Hobbit (exceção da Nova Zelândia, onde já estreou tem alguns dias). Porém eu consegui arranjar ingressos para ir na pré estréia de imprensa, que rola sempre uns dias antes, e que existe, justamente para os jornalistas escreverem resenhas sobre o filme. E não é que assim damos nossos primeiros passos rumo ao estrelato? Quadrinheiros indo parar em Cabine de Imprensa…

O poster que de fato melhor representa a mensagem do filme

O que de fato queria colocar nesta primeira parte são minhas expectativas quanto ao filme.

Li o livro quando tinha uns 12 ou 13 anos. Na época estava saindo o terceiro e último filme da trilogia do Senhor dos Anéis (agora você poderá calcular a minha idade!). E sempre penso: Como o livro do Hobbit me interessa mais que o Senhor dos anéis em si! (fãs retardados fiéis, taquem suas pedras!)

Devemos levar em consideração que o Hobbit foi escrito para crianças. É uma obra infanto-juvenil, que abriu portas para essa literatura de fantasia. Os menos antas ortodoxos, sabem que existe uma lacuna imensa entre essas duas obras (cerca de 17 anos), e que Tolkien justamente mudou o tom pois seu público envelheceu. Mantida as devidas proporções, e longe de estarem em pé de igualdade, JK Rolling fez o mesmo com as suas obras do Harry Potter.

São as 4 capas originais, baseadas nos desenhos do Tolkien. Fiz questão de colocar as datas!

São as 4 capas originais, baseadas nos desenhos do Tolkien. Fiz questão de colocar as datas!

Espero um filme para os nostálgicos, talvez com pequenas referências explicativas. Mas como apontou em entrevistas o próprio Peter Jackson, espero um filme mais fiel ao livro, rebatendo as principais críticas que fizeram à trilogia anterior, mesmo que leve a um filme mais moroso e cansativo. Mas claro, com aquela fotografia característica e com landscapes incríveis, a assinatura do diretor.

Espero que ele coloque mais as músicas tão características dos livros e mantenha mais o tom fantasioso do que épico. Além de  trabalhar melhor as explicações gerais do universo, tão presentes na obra original.

São comentários gerais pois a expectativa é uma coisa muito genérica

Sem mais delongas, vamos ao filme…

E você fique com o Trailer!

[cerca de 6 horas depois]

Meus caros, levantem vossas poupanças e dirigam-se ao cinema mais próximo.

Estou, claro, ainda um tanto anestesiado pelo todo, mas achei que superou minhas expectativas. Tanto o filme como a experiência em si!

Prometo não tomar muito tempo, mas acho que alguns fatos sobre estar fantasiado em um shopping para uma pré estréia valem a pena de serem contados.

O mais interessante foi, de fato, que colocaram uma sala especial para os fãs fantasiados! E isso tornou a experiência ainda mais enriquecedora. Antes da sessão tiveram algumas piadinhas entre os cerca de 60 fantasiados, até uma menina cantando “Ai se eu te pego “ em Quenya. Mas o mais interessante foi durante o filme alguns momentos que refletiam uma certa devoção e familiaridade com a história e o mundo ali retratado. O suprassumo foi logo antes da projeção quando a representante da assessoria de imprensa da Warner nos avisa: “Vocês serão os primeiros brasileiros a ver esse filme.” A jornada estava enfim completa

Exemplo de outras figuras que estavam na mesma sessão que nós!

Quanto ao filme em si, afinal você deve estar cansado de ler minhas baboseiras histórias pessoais, digo apenas: incrível. Ele superou minhas expectativas.

Imaginei que seria um filme menor, com menos amplitude de referências e mais focado apenas no Hobbit, porém Jackson mostrou que ele está olhando o todo do universo Tolkien, e não apenas um livro individualmente.

Ele conta com referências, na medida, de outras histórias e situações do universo. Inserindo assim essa passagem dentro de um panorâma mais amplo e difuso. Algo que, imagino eu, JRR Tolkien talvez também tentaria fazer, levando em consideração a delicadeza e o perfeccionismo do senhor inglês.

De fato, grande parte das minhas expectativas foram atendidas e superadas. A fotografia é incrível, o saber escolher das passagens, as narrações e “flashbacks” estão na medida exata, se mudar estraga.

Escultura dos Trolls – uma das cenas mais bem adaptadas!

Mas claro, existem algumas falhas.

Por se tratar de um filme infanto-juvenil algumas coisas são previsíveis, tanto falas como cenas, mas isso, ao meu ver, não impacta diretamente no andamento do filme. Inclusive acompanham o estilo da escrita do livro, mais simples e menos tenso do que os das demais obras de Tolkien. Mas principalmente é um filme bem menos épico.

Algumas cenas em específico tendem a um certo super heroísmo que não é tão forte como no livro, mas devo isso à necessidade de manter o ritmo do filme.

Bom, no geral, vale a pena assistir o filme e curtir. Principalmente para quem leu o livro é uma experiência muito interessante e nostálgica. É ver na tela muita coisa que você só leu. Traduzir em outra linguagem muito do que você viu só na sua cabeça.

É refazer a jornada, mas de uma maneira totalmente inesperada…

Anúncios
Esse post foi publicado em Sidekick e marcado , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para O Hobbit: O dia que fui descalço ao shopping ou o dia que fiz cosplay para ir a uma pré estréia

  1. Amanda Szargiki disse:

    Haha! eu também fui de cosplay na pre estreia e também tive de andar descalça pois estava como Galadriel.

  2. Rogerio Andrade disse:

    Primeiro passo pra entrar no mundo cosplay…. agora que tal uma feira de mangás ?

  3. Inveja!! [uau, você é mais novo que eu]

  4. Pingback: Melhores posts até agora – 2 anos de Quadrinheiros | Quadrinheiros

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s