MEMÓRIAS QUADRINHEIRAS III: Orkut, orkontro e Turma da Mônica

rip-orkut-2014

O Orkut se foi. E, com ele, encerrou-se uma página importante na história das redes sociais e da história de todos nós (assumindo que você tenha mais que 18 anos hoje e tenha conhecido a internet antes da Era Facebook). Todo o mundo tem alguma coisa que mais sente falta agora que o Orkut se foi, o que é curioso, porque a maioria de nós nem abria mais pra ver o que rolava. É mais ou menos como ficar sabendo que aquele primo legal que a gente não via há anos morreu.
Para mim, o Orkut foi marcante por conta da facilidade com que conheci pessoas e elas passaram a fazer parte do meu dia-a-dia, mesmo que só pela internet. Não que isso não ocorra no Facebook. Só não acontece com a mesma facilidade, porque a dinâmica das comunidades e seus tópicos era muito mais funcional do que os grupos do Face. Fiz parte de várias comunidades, algumas delas transferidas para outras redes e ainda ativas. Nenhuma, porém, foi mais importante do que a comunidade da Turma da Mônica.

561452_10151134051246138_334201188_n

O próprio Mauricio fez os desenhos para a identidade da comunidade. (A montagem foi feita pelo Renato para o grupo do Facebook)

Foi numa tarde em Curitiba, num misto de epifania e falta-do-quê-fazer (pelo menos ele sempre disse que estava de bobeira em casa), que André criou a comunidade. Mais tarde, ela viria a contar com a presença do próprio Mauricio de Sousa e muitos membros de sua equipe e até mesmo ganharia o status de comunidade (quase) oficial. Com milhares de membros, ela permaneceu ativa até quase os últimos dias do Orkut, ainda que eu e outros membros da velha guarda já não déssemos as caras por lá com tanta freqüência.
O que torna essa comunidade tão especial em minha memória é que ela me permitiu conhecer muita gente que hoje continua reunida, ainda que só virtualmente na maior parte do tempo. Mais marcante ainda, ela me permitiu encontrar, pela primeira vez, Mauricio de Sousa e o pessoal da MSP, alguns dos quais hoje são amigos mesmo, de sair para comer alguma coisa, ir no cinema e até aparecer para filar a ceia de ano novo. (Fiz isso 3 vezes já).
Orkontro 2006 002O evento em questão foi o primeiro Orkontro da comunidade. Em 2006, por sugestão do Ricardo (o cara alto de azul), pensamos que era uma boa idéia reunir pela primeira vez a turma que passava todos os dias pela comunidade. Por sugestão do próprio Ricardo, o evento aconteceria no Parque da Mônica. E, como quem dá a idéia que se vire para correr atrás, lá foi ele tentar negociar o evento. Resultado: não só o evento foi autorizado, como Mauricio simplesmente abriu o parque para nós. De graça. (Eu devia chamar esse cara para negociar minhas dívidas no banco).
DSC_7042tA correria foi imensa para preparar a lista. Éramos muitos, de vários cantos do Brasil. Chegamos lá, a maioria para se encontrar pela primeira vez, e fomos surpreendidos com uma placa na entrada do Parque, saudando os participantes do Orkontro, com entrada exclusiva, crachá, broche e kit de presentes para cada um. Lá dentro, uma sessão exclusiva no teatro, com direito a entrevista coletiva, seguida de autógrafos e lanche com Mauricio e sua equipe.
parqueorkontroA surpresa seguinte viria em março de 2007, quando uma história sobre o evento foi publicada na edição 3 da revista Turma da Mônica: Uma Aventura no Parque da Mônica (Panini), escrita por Flavio Teixeira. Ele criou versões mauricificadas de vários de nós e espalhou pela história, recheada de cenas que só quem esteve lá realmente é capaz de entender. Há fãs de quadrinhos que se orgulham de ter edições históricas, edições autografadas, rascunhos originais, um monte de outras coisas, mas poucos — muito poucos mesmo — podem dizer que participaram de uma cena com suas personagens favoritas!
A comunidade não morreu. O arquivo público dela foi salvo. Mais importante, os amigos continuam juntos. Um ou outro some, um ou outro chega, fizemos grandes coisas, outras nem tão grandes assim, às vezes até parece que vai rolar uma coelhada aqui ou ali. Mas estamos juntos. Porque foi isso que o gibi nos ensinou.

PS. Você pode ver fotos do 1º. Orkontro da Turma da Mônica na página do roteirista Paulo Back. A história escrita por Flavio Teixeira está no site da Turma da Mônica. E aqui embaixo estão o vídeo da reportagem da Play TV no dia do evento e o documentário produzido por Vicente Marinho, que também é monicólatra.

É claro que eu não ia deixar de mostrar minha versão mauricizada. (A bolsa é da minha namorada — ela estava carregando minha mochila, que era mais leve —, mas é uma mostra de como o Flavio estava atento aos detalhes).

É claro que eu não ia deixar de mostrar minha versão mauricificada. (A bolsa é da minha namorada — ela estava carregando minha mochila, que era mais leve —, mas mostra como o Flavio estava atento aos detalhes).

Anúncios

Sobre Quotista

Filipe Makoto Yamakami é historiador, professor, músico amador, twitólatra, monicólatra, etc. E realmente precisa de um emprego que lhe permita pagar as contas. @makotoyamakami
Esse post foi publicado em Quotista e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para MEMÓRIAS QUADRINHEIRAS III: Orkut, orkontro e Turma da Mônica

  1. marquinhosjunior disse:

    Muito lindo, Makoto! Imagino que sintam saudades desses momentos no Parque, mas sei que estão eternizados na mente de vocês. Gostei muito de poder mais uma vez, acompanhar um pouco sobre o Orkontro e a felicidade de todos vocês. Sou grato por fazer parte do grupo de vocês,hoje, no Facebook! Grande abraço 🙂

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s