Para que servem os super-heróis?

E hoje temos um Red Shirt aqui no blog, que preferiu manter sua identidade secreta.

O Estrangeiro debutando aqui nos Quadrinheiros.

walker

São necessárias ressalvas quanto a este post, que são também ressalvas à minha pessoa.

Em primeiro lugar, sou Estrangeiro nestas terras dos quadrinhos – não tenho, portanto, o conhecimento de causa daqueles que hoje me hospedam nestas paragens. Venho de longe e meu discurso tem um olhar admirado com a pátria alheia. Em segundo lugar, como todo errante estrangeiro, não tenho à disposição qualquer biblioteca além daquela feita de retalhos escritos e imagéticos que porto em minha memória.

Superman-sad

Dito isso, para que servem os super-heróis?

wcthgrdnEssa questão certamente carrega em si outras tantas ocultas. Por exemplo, ela nos obriga a pensar sobre a importância de contar – imaginar – uma história fantasiosa. Somos chamados a pensar sobre criação dos super-heróis e de seus vilões. Por que existem? O que representam? Temos ainda as questões centrais da quase totalidade dos enredos: Por que os heróis se tornaram heróis? Por que os vilões se tornaram vilões? Por que possuem identidades secretas? E o problema que talvez preceda todos os outros – inclusive a interrogação que batiza este texto: São mesmo necessárias essas histórias em quadrinhos e seus heróis?

livro-a-necessidade-da-arte-ernst-fischer-capa-dura_MLB-O-3796982761_022013

Ernst Fischer (*1899 – +1972), com sua obra A necessidade da arte, é quem pode nos trazer importante colaboração para refletirmos sobre essas questões todas. Como bom pensador posterior a Nietzsche, Fischer compreende o homem como um ser de desejos. A razão está em segundo plano, primeiro temos de lidar com nossos desejos. Ao se deparar com a natureza, que o limita e torna impotente fisicamente, o homem desenvolve o conhecimento científico para conhecer e dominá-la. Impera aí o desejo humano de superar os limites da inimiga natureza. E é para isso que serve a razão: tornar possível a execução de um desejo.
Entretanto, não importa o quanto tenha avançado a ciência, nem o quanto cuidemos da saúde, a morte é natural para todo ser vivo, inclusive para o homem – que se recusa a participar da natureza pelo exercício da razão.

imaginação tumblr_lmqdtxgryu1qd6pkuo1_500

Como esse limite parece intransponível para a razão, que criou e se põe a recriar a ciência, cabe fazer uso de outra arma: a imaginação. Se não é possível uma natureza sem morte, sem falhas da força gravidade e sem retorno ao passado, o homem se vê obrigado a criar um mundo – imaginário, não-natural – através das artes no qual tudo isso seja possível.

Nele estão representados todos os desejos humanos, sobretudo o de imortalidade, do qual todos os outros são metáforas. Aliás a própria noção de autoria – de uma obra de arte ou de uma teoria científica – é permeada pelo desejo de imortalidade, uma vez que quem realiza uma grande obra atravessa os séculos. Isaac Newton e Leonardo da Vinci, por exemplo, morreram há muito, mas fato é que não se passa um dia na Terra sem que os dois sejam rememorados por alguém.

É possível que, no mundo da pintura, da literatura ou da música, as leis da natureza mudem, que o céu seja verde e as plantas azuis, que os sons se afinem e que a humanidade se realize, tenha paz e encontre a felicidade – para sempre.

16102012135209Asas-da-imaginacao

No discurso narrativo, do qual faz parte a história em quadrinhos, tem papel fundamental o personagem. Ele não é um indivíduo qualquer dado num mundo de acasos. Aliás, os mundos imaginários são aqueles nos quais as histórias portam sentidos, não há acasos. O personagem representa a humanidade encarnando nossos desejos. Quando Batman derrota o crime em Gotham City, somos nós quem queremos limpar a cidade de uma bando de aproveitadores e descontar neles nossos traumas. Quando o Super-Homem salva Lois Lane de cair do prédio, somos nós quem queremos voar, ter uma super-força, salvar a mocinha ou salvar-se pelo mocinho. E assim com todos os sentimentos e sensações que perpassam essas histórias.

batman_superman

São necessárias as histórias em quadrinhos – tanto quanto qualquer outra expressão artística (imaginativa) ou científica (racional) – porque precisamos representar nossos desejos de vencer os medos, sobretudo a angústia causada por nossa arqui-inimiga, a consciência de que vamos morrer. Daí nossas identidades secretas, os disfarces de leitor, porque os super-heróis somos nós num estado em que nossos desejos são capazes de derrotar as limitações da natureza que nos cerca.

085453topomontanha

Anúncios

Sobre theredshirts

Blogueiros convidados ou que se convidam. Fale com a gente em nossa página no Facebook.
Esse post foi publicado em Red Shirts e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Para que servem os super-heróis?

  1. Diego disse:

    Ótimo texto!

  2. Pingback: Venha para a Liga da Justiça… de BH! | Quadrinheiros

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s